Segunda, 18 de Outubro de 2021
25°

Poucas nuvens

Cajazeiras - PB

Geral SOBREVIVÊNCIA

DESABAFO DE UMA SOBREVIVENTE

“Fortes são aqueles que apesar de serem julgados como são, não mudaram para agradar aos outros”.

10/05/2021 às 19h34
Por: Redação Fonte: Margarida Araújo
Compartilhe:
Foto: divulgação
Foto: divulgação

Tenho observado que intolerância à gente é pior que intolerância à lactose ou a qualquer outra coisa... Eu sei que vivemos em um mundo moldado por Códigos, mas que também devemos criar nossos próprios Códigos para vivermos melhor (claro, contanto que não infrinjam os Códigos da sociedade, na medida do possível).

            Não somos obrigados a mudar para agradar ninguém, mesmo que isso seja sugerido. Se formos pessoas responsáveis, independentes, pagamos nossas contas, vivemos às nossas custas; na nossa casa, as Regras de Convivências são as nossas e quem não aceitar, não é problema nosso...

            Bom é poder levantar de manhã sem preocupação de incomodar as pessoas com o arrastar do chinelo ou o abrir e fechar de uma porta. Poder mastigar sem ouvir alguém reclamar; poder conversar sozinha, perguntando e respondendo, questionando... Se incomodar? É melhor viver sozinha e tranquila, em solitude.

            A passividade não deve fazer parte do meu viver. Falando sempre por mim, digo que sou beligerante, uma pessoa polêmica, exigente porque sou responsável. Tenho dito que sou insurgente à decisões arbitrárias porque acredito que “Não se opor ao erro é aprová-lo e não defender a verdade é negá-la” já dizia Santo Thomás de Aquino.

Eu, deliberadamente nunca fiz mal pra ninguém e todas as vezes que errei foi tentando acertar.

            Hoje, com mais de 70 anos de idade, sendo 42 como servidora pública, com continuidade de vida acadêmica e permeando esses anos, lá se foram também 30 anos de casamento com seis filhos e uma vida de muita luta pela sobrevivência. Foi uma vida dura e polivalente; vida intensa de dedicação com responsabilidade, educando pelo exemplo.. Uma pessoa fraca não teria sobrevivido. Eu sobrevivi mesmo  a vida não tendo sido justa comigo em determinados momentos... Mas justiça perfeita só a de Deus!

            Sempre vivi uma vida honrada, dando  exemplo de honestidade e dignidade, não só aos meus filhos  e alunos, mas a todos com os quais convivi, lembrando que a minha grande recompensa foi a amizade dos meus alunos, que transcendeu à sala de aula e permanece. Eu sei o tamanho desse amor!

Disciplinei-me nos moldes da Educação Espartana, meu foco sempre foi o dever e a honra. A Universidade da Mundo me educou para a luta. Quantas vezes saí da minha própria natureza, para cavar nas trincheiras da vida! Não vim para este mundo para ver a Banda passar, eu vim para tocar na Banda e o meu instrumento desde que nasci, sempre foi a caixa de guerra.

Hoje Aposentada duas vezes, pelo Estado e Federal, a minha casa é o meu Reino; o meu Lar é sagrado! Nele vale a minha Lei. Se assim não for, não valeu a luta e tudo perde o sentido. A vida me endureceu, mas permaneço humana, agindo sempre pela razão.

Quem não gostar, não aceitar, nem chegue perto!

            Ao longo da minha vida construí uma grande Família “do coração” e sei que posso contar com essa Família... Tudo que sempre fiz e faço, foi e é para a Honra e Glória de Deus, “Eu e minha casa serviremos ao Senhor”. Sou agradecida pelas bênçãos a partir da vida... Estou neste mundo para servir e aperfeiçoar minha alma e não para ser aceita; não ligo pra isso. Quem disser que eu não presto, eu reitero: “é verdade, eu tenho péssimas qualidades e ótimos defeitos” Sempre darei razão a quem falar mal de mim...

            Pessoalmente, estou empenhada em servir a quem necessitar de mim; mas também sorrir pra mim, viver pra mim, levar meus problemas para passear, para viajar; fazer tudo que for bom pra mim, certa e contrita que quem ficará comigo por toda minha vida, em termos humanos serei eu e porque descobri desde cedo, em quase todos os momentos da minha vida eu fui o meu Durango Kid.     Agradeço a atenção, mas a coragem de vez em sempre fazer um desabafo nos livra de muita adrenalina, acrescenta paz à nossa mente e talvez até sirva de alerta para alguém...

            Tenho dito.

                                                                       Carpe Diem

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários