Governo de SP cobra governo Bolsonaro para ter mais verba para vacina chinesa

Governo de SP cobra governo Bolsonaro para ter mais verba para vacina chinesa

"Cabe dizer que a pasta j√° firmou duas parcerias – com AstraZeneca e Covax Facility – que somam a aquisi√ß√£o de 140 milh√Ķes de doses para a popula√ß√£o brasileira. O Ministério ainda acompanha mais de 200 estudos que buscam a identifica√ß√£o de uma vacina contra a covid-19, com o objetivo de encontrar uma cura efetiva e segura para a doen√ßa. A inten√ß√£o é disponibilizar aos brasileiros, t√£o cedo quanto possível, uma vacina eficaz, em quantidade e qualidade para atender a popula√ß√£o", afirmou.

De acordo com o governador, a última fase de testes para a Coronavac termina na próxima segunda-feira, 19, quando os resultados j√° ser√£o entregues à Anvisa. Ele afirma ainda que a primeira encomenda de 6 milh√Ķes de doses chega a S√£o Paulo até o final deste mês e que a capacidade de imuniza√ß√£o para a popula√ß√£o do Estado est√° mantida, mesmo sem o apoio federal.

Na noite anterior, o secret√°rio de Saúde do Estado, Jean Gorinchteyn, participou de uma reuni√£o entre o Conselho Nacional de Secret√°rios de Saúde (Conass) e representantes do Ministério da Saúde. Na ocasi√£o, a pasta anunciou investimento previstos e estimativas de vacinas disponíveis contra a covid-19, mas n√£o incluiu o imunizante desenvolvido pelo Instituto Butant√£ com a Sinovac na lista.

"O fato de n√£o termos identificado a Coronavac no pleito causou constrangimento para todos, a ponto de hoje ter sido encaminhado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secret√°rios de Saúde) uma solicita√ß√£o ao ministro para que isso venha a acontecer", explicou Gorinchteyn . O movimento foi interpretado como uma retalia√ß√£o política do presidente Jair Bolsonaro a Doria, j√° que a verba para ampliar a produ√ß√£o da Coronavac teria de ser repassada ao governo do Estado de S√£o Paulo.

"O que n√£o vamos admitir é politiza√ß√£o da vacina", disse Doria. "N√£o h√° hipótese de o governo de S√£o Paulo e eu, como governador, aceitarmos qualquer coloca√ß√£o postergatória, do Ministério da Saúde ou da Anvisa, para n√£o iniciar a vacina√ß√£o o mais rapidamente possível", frisou. "Estamos falando de salvar vidas e, para isso, S√£o Paulo utilizar√° todos os recursos necess√°rios. Primeiro, no entendimento com o di√°logo republicano Mas se isto n√£o ocorrer, saberemos como utilizar mecanismos outros para fazer valer a vacina, ao menos para os brasileiros que vivem aqui."

Apesar do tom, fontes ouvidas peloEstad√£o afirmam que o governo de S√£o Paulo est√° confiante no di√°logo com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e com a Anvisa. A expectativa é de que, por pareceres técnicos, representantes de ambos os órg√£os consigam convencer o governo federal a investir na Coronavac, para além dos R$ 92 milh√Ķes que j√° foram anunciados e, aos poucos, est√£o chegando ao Estado.

"É importante ressaltar que a rela√ß√£o do Instituto Butant√£ com o Ministério da Saúde vem de muitas décadas. Essa parceria técnica, científica e comercial j√° existe e n√£o seria diferente em um momento como esse", afirmou Gorinchteyn. "Assim como o governador, o ministro tem ampla ciência que o Brasil precisa de vacinas. Só uma vacina n√£o dar√° conta de imunizar o povo brasileiro."

No come√ßo de outubro, o Butant√£ entregou à Anvisa a documenta√ß√£o j√° existente da Cronavac, a fim de agilizar o registro do imunizante. Foram entregues dados preliminares de produtos biológicos para covid-19 e os relatórios de seguran√ßa e efic√°cia obtidos com a Coronavac em testes n√£o-clínicos, ou seja, feitos em laboratório ou em animais antes da testagem em humanos.

A gest√£o Doria j√° assinou com a Sinovac um contrato de fornecimento de 46 milh√Ķes de doses da Coronavac até dezembro. A farmacêutica vai enviar, até o final do ano, 6 milh√Ķes de doses da vacina j√° prontas, enquanto outras 40 milh√Ķes ser√£o formuladas e envasadas em S√£o Paulo. Outras 14 milh√Ķes de doses devem ser fornecidas até fevereiro.

Doria j√° afirmou que, se a Coronavac passar na fase de testes em volunt√°rios e for aprovada pela Anvisa, a vacina√ß√£o poder√° ocorrer j√° a partir de 15 dezembro e come√ßar√° em profissionais de saúde de unidades públicas e privadas de S√£o Paulo.