Bolsonaro chega ao Sertão da Paraíba para inauguração de complexo de produção de energia solar

Obra foi erguida em Coremas, no Sertão, com investimentos de empresa dinamarquesa e também do Banco do Nordeste.

Bolsonaro chega à Paraíba para inauguração de complexo de produção de energia solar em Coremas - Foto: TV Brasil/Reprodução

Bolsonaro chega à Paraíba para inauguração de complexo de produção de energia solar em Coremas - Foto: TV Brasil/Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou à Paraíba na manhã desta quinta-feira (17) para a inauguração do complexo de produção de energia solar que foi erguido no município de Coremas, Sertão da Paraíba. Esta é a segunda visita do presidente ao estado desde que foi eleito, sendo a primeira em novembro de 2019.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou à Paraíba na manhã desta quinta-feira (17) para a inauguração do complexo de produção de energia solar que foi erguido no município de Coremas, Sertão da Paraíba. Esta é a segunda visita do presidente ao estado desde que foi eleito, sendo a primeira em novembro de 2019.

Bolsonaro desembarcou no aeroporto de Juazeiro do Norte, no Ceará, para visitar a Paraíba e chegou em Coremas de helicóptero por volta das 9h30. O evento começou às 12h, e o presidente participou sem máscara, assim como todos os presentes no palanque, apesar de um decreto estadual obrigar o uso do equipamento de proteção em locais públicos em todo o estado. Segundo a agenda oficial, ele deve embarcar de volta para Brasília no início da tarde.

Batizada de Complexo Solar de Coremas, a obra é de iniciativa do setor privado, numa parceria da empresa dinamarquesa Nordic Power Partners e da desenvolvedora brasileira Rio Alto Energia, mas tem apoio do Ministério de Minas e Energia e financiamento do Banco do Nordeste, do Governo Federal.

O complexo já está em operação, com três fases já em funcionamento. A inauguração marca o início, em setembro, de mais cinco fases do projeto.

O investimento total do projeto foi de R$ 482 milhões, contando com R$ 287 milhões do Banco do Nordeste e R$ 195 milhões da empresa dinamarquesa.


Com a obra, a expectativa das empresas é produzir energia elétrica equivalente ao consumo de 55 mil pessoas, o que deve contribuir para a redução de 450 mil toneladas de emissões de gases de efeito estufa.

Durante o pico da construção, segundo a Nordic Power Partners, as obras empregaram mais de 500 pessoas, a maioria da própria região.